O Consumo Minimalista: os valores do jovem na atualidade

Autores

  • Alessandra Lopes Cavalheiro ESPM
  • Julia Garcia Bareia ESPM
  • Mariana Malvezzi ESPM

Palavras-chave:

Minimalismo, Valores pessoais, Anticonsumo, Jovem

Resumo

A presente pesquisa exploratória traz aspectos importantes sobre o minimalismo, um estilo de vida anticonsumista presente na atualidade. O principal objetivo do estudo é investigar quais são os valores de jovens que adotam o minimalismo como estilo de vida fazendo parte da sociedade orientada para o consumo. Para tanto, é realizada uma revisão de literatura para que se compreenda o caminho percorrido pelos movimentos anticonsumo e seus desdobramentos, o surgimento do minimalismo e suas características e, por último, uma análise dos valores pessoais sob a teoria de Schwartz (Teoria Universal de Valores Humanos). Complementar à revisão, emprega-se a metodologia quantitativa survey elaborada para levantar quais são os valores mais presentes entre os jovens minimalistas a partir da escala de valor criada por Schwartz. Com a análise dos dados, constata-se que os minimalistas atribuem maior valor à autodisciplina, à independência, à maior relação e união com a natureza, à apreciação ao mundo das belezas e das artes, enquanto dão menos importância à autoridade. Em síntese, os valores que possuem são fortemente associados aos propósitos do estilo de vida minimalista contemporâneo, mas não se encontram livres de contradições e tensões que marcam a sociedade.

Referências

Acevedo, C. R., Campos, I., & Catão, B. A. (2018). Motivação, valores e sentimentos por trás da resistência ao consumo e veganismo. SITEFA, 1(1), 327-342. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://sitefa.fatecsertaozinho.edu.br/index.php/sitefa/article/view/21/32.

Amorim, E. S. M. S; Silva, E. R. S.; Rosa, J.; Perez, C. (2018). O princípio do prazer: o hiperconsumo como escape em tempos de modernidade líquida. Signos do Consumo, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 70-78, jul./dez. 2018.

Aquino, R. D. de, & Tomassini, R. (2009). As relações entre a dinâmica pós-moderna e o consumo minimalista. XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo, SP, Brasil, 23. Disponível: http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/45/MKT2959.pdf.

Assimos, B. (2019). O Consumo Conspícuo e Suas Relações com Consciência de Marca, com Consumo de Status e com Autoexpressão. BBR, Braz. Bus, Rev., 16 (4), 350-368. Recuperado em 12 março, 2020, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1808-23862019000400350&script=sci_abstract&tlng=pt.

Bauman, Z. (2008). Sociedade para consumo. Rio de Janeiro: Zahar.

BBC News Brasil (2019). Greta Thunberg, a adolescente sueca que está sacudindo a luta ambiental. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://www.bbc.com/portuguese/geral-48022690.

Bergamaschi, J. (2018). A sustentabilidade como valor. Direito & Política, 13(3), 1428-1457. Recuperado em 24 maio, 2020, de https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rdp/article/view/13724/7764.

Bittencourt, R. (2011). Os dispositivos existenciais do consumismo. Revista Espaço Acadêmico, 10(118), 103-113. Recuperado em 12 março, 2020, de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/10182.

CNN, (2020). Estudo indica aumento em casos de depressão durante pandemia. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/05/09/estudo-indica-aumento-em-casos-de-depressao-durante-isolamento-social.

Cruz, A. de F. B. (2019). Minimalismo: um estudo sobre motivações e mudanças no consumo. Trabalho de Conclusão de Curso, UFRS, Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/215114.

Cruz, B. de P. A. (2013). O Boicote no Comportamento do Consumidor. Tese de Doutorado, FGV, São Paulo, SP, Brasil. Disponível: https://gvpesquisa.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/breno_de_paula_andrade_cruz.pdf.

Durkheim, E. A educação moral. Petrópolis: Vozes, 2012.

Durkheim, E. As regras do método sociológico. Petrópolis: Vozes, 2019.

Engel, J.; Blackwell, R.D; Miniard, P.W. (2000). Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC.

Ferreira, K. M., Méxas, M. P., Abreu, W., & Mello, P. L. (2016). Economia compartilhada e o consumo colaborativo: uma revisão da literatura. Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 12. Disponível: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T16_369.pdf.

Gomes, K. C. (2020). As práticas de consumo do movimento lixo zero à luz da teoria de cultura do consumidor. Programa de Pós-Graduação, UNIVALI, Vale do Itajaí, SC, Brasil. Disponível: https://engemausp.submissao.com.br/22/arquivos/711.pdf.

Gonçalves, D. O. (2007). Avesso e direito: movimento hippie e mercado cultural da moda. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil. Disponível: http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/16534/1/DOGoncalvesDISPRT.pdf.

Hall, S (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Júnior, J. M. G. M. (2018). O essencial é invisível aos olhos: ensaio fotográfico sobre o estilo de vida minimalista. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. Disponível: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/17312/Marin_Junior_Jose_Marcos_G_2018_TCC.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Kaminski, L. F. (2016). O movimento hippie nasceu em Moscou: imaginário anticomunista, contracultura e repressão no Brasil dos anos 1970. Antíteses, 9(18), 467-493. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://www.redalyc.org/pdf/1933/193349764019.pdf.

Kant, I. (2005). Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70.

La Taille, Y.D; Menin, M.S.D.S. (2009). Crise de valores ou valores em crises?. Porto Alegre: Artmed.

Landim, F. L. P., Lourinho, L. A., Lira, R. C. M., & Santos, Z. M. S. A. (2006). Uma reflexão sobre as abordagens em pesquisa com ênfase na integração qualitativo-quantitativa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 19(1), 53-58. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/961/2123.

Lipovetsky, G. (2017). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. Lisboa: Ed. 70.

Llosa, M. V. (2013). A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro: Objetiva.

Negretto, L. (2013). As relações entre a dinâmica pós-moderna e o consumo minimalista. Monografia, PUC RS, Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/view/17827/11456.

Onu. Onu e o meio ambiente. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/91223-onu-e-o-meio-ambiente. Acesso em: 21 mai. 2021.

Pinho, F. G. (2018). Brechós de luxo ganham força com a moda da economia compartilhada. Folha de São Paulo. Recuperado em 21 abril, 2020, de https://www.google.com.br/amp/s/www1.folha.uol.com.br/amp/mpme/2018/10/brechos-de-luxo-ganham-forca-com-moda-da-economia-compartilhada.shtml.

Pinto, M. de R., & Batinga, G. L. (2016). O consumo consciente no contexto do consumismo moderno: algumas reflexões. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 14, 30-43. Recuperado em 14 março, 2020, de https://periodicos.ufpe.br/revistas/gestaoorg/article/view/22086.

Puls, L. M. (2018). O estilo de vida minimalista x consumo do vestuário de moda. Logo, 7(2), 100-119. Recuperado em 30 agosto, 2020, de http://stat.ijie.incubadora.ufsc.br/index.php/eRevistaLOGO/article/view/5313/5297.

Redação Observatório 3º Setor, (2021). Pandemia prejudica o emprego formal de jovens de baixa renda. Observatório do Terceiro Setor. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://observatorio3setor.org.br/noticias/pandemia-prejudica-o-emprego-formal-de-jovens-de-baixa-renda/.

Ribeiro, M. (2020). Pesquisa mostra que 68% dos brasileiros tiveram redução na renda em função da pandemia. Rádio Senado. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/2020/04/30/pesquisa-mostra-de-68-dos-brasileiros-tiveram-reducao-na-renda-em-funcao-da-pandemia.

Ribeiro, R. (2008). O consumo: uma perspectiva sociológica. Congresso Português de Sociologia, Lisboa, Portugal, 6. Disponível: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/2010/Sociologia/o_consumo_uma_perspectiva_sociologica.pdf.

Rodrigues, A. R., Gonçalves, E. J. V., Costa, A. P., Nora, E. de S., & Rezende, D. C. de (2011). Marketing Verde e Consumo Consciente: Segmentando o Mercado de Lavras/MG. XXXV Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35. Disponível: http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/58/MKT2880.pdf.

Rojas, A. A., & Mocarzel, M. M. V. (2015). Da cultura visual à cultura material: o minimalismo como forma de expressão na sociedade de consumo. ALCEU, 16(31), 131-140. Recuperado em 24 maio, 2020, de https://www.researchgate.net/publication/319174189_Da_cultura_visual_a_cultura_material_o_minimalismo_como_forma_de_expressao_na_sociedade_de_consumo.

Romeiro, Ademar Ribeiro. (2012). Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, 26(74), 65-92. https://doi.org/10.1590/S0103-40142012000100006

Silva, A. F M., et. al. (2017). O Consumo Consciente na Moda: um estudo sobre slow fashion. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba, PR, Brasil, 40. Disponível: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-1426-1.pdf.

Silveira, L. M. da, Petrini, M., & Santos, A. C. M. Z. dos (2016). Economia compartilhada e consumo colaborativo: o que estamos pesquisando? REGE – Revista de Gestão, 23(4), 298-305. Recuperado em 24 maio, 2020, de https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1809227616306063.

Silveira, P. B. (2016). O consumo consciente na sociedade de consumo: análise da comunicação da Insecta Shoes. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/157289/001013221.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Tamayo, A., & Schwartz, S. H. (1993). Estrutura Motivacional dos Valores Humanos. Psic.: Teor. E Pesq., 9(2), 329-348. Recuperado em 30 agosto, 2020, de https://core.ac.uk/download/pdf/231212579.pdf.

Teodoro, M. C., D’Afonseca, T. C., & Antonieta, M. (2017). Disrupção, Economia compartilhada e o fenômeno Uber. Revista da Faculdade Mineira de Direito – PUC Minas, 20(39). Recuperado em 30 agosto, 2020, de http://periodicos.pucminas.br/index.php/Direito/article/download/14661/11373.

Tognetta, R.L.P; Vinha, T.P. (2009). Valores em crise: o que nos causa indignação? In: La Taille, Y.D; Menin, M.S.D.S. (2009). Crise de valores ou valores em crises?. Porto Alegre: Artmed.

VanEenoo, C. (2011). Minimalism in Art and Design: Concept, influences, implications and perspectives. Journal of Fine and Studio Art. vol. 2 (1), pp. 7-12, Jun. 2011. Disponível em: http://www.academicjournals.org/jfsa. Acesso em: 21 mai. 2021.

Villodres, M.L. (2020) Desapego ou consumo? A armadilha de Marie Kondo que vai do minimalismo ao negócio espiritual. El país (Estilo). Disponível em: https://brasil.elpais.com/estilo/2020-01-15/a-armadilha-marie-kondo-vai-do-minimalismo-ao-negocio-do-consumo-espiritual.html. Acesso em: 21 mai. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Cavalheiro, A. L., Bareia, J. G., & Malvezzi, M. (2021). O Consumo Minimalista: os valores do jovem na atualidade. International Journal of Business Marketing, 6(2), 90–108. Recuperado de https://ijbmkt.org/ijbmkt/article/view/201

Edição

Seção

Artigos